sábado, 31 de outubro de 2015

Japão mantém política monetária e alarga prazos da retoma - economy

Avião russo: Poderá haver sobreviventes

Moscovo declara 1 de novembro dia de luto nacional

Guntánamo: O último britânico

Ser curdo na Turquia: A vida e a morte em período eleitoral - reporter

Síria: otimismo moderado em Viena

Alemanha e Áustria criam regras para migrantes atravessarem fronteira

"Europa e países ocidentais erraram na avaliação das consequências deste...

terça-feira, 27 de outubro de 2015

OMS alerta: Charcutaria e carnes vermelhas podem causar cancro

Ideias luminosas por um futuro melhor - futuris

Toyota ultrapassa Volkswagen nas vendas - economy

Canadá: naufrágio mata cinco britânicos

Autoridades belgas descartam pista terrorista após ataque contra quartel

Terramoto provoca mais de 230 mortos no Paquistão e Afeganistão

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Drama com migrantes na Bulgária e na Grécia

Queda de vendas na Ásia atinge lucros da Burberry - economy

Polícia mata refugiado na Bulgária

Por que os jovens japoneses não querem relações sérias?





Eles só não querem é a obrigação de arcar com as despesas de um relacionamento, casamento, família, assim como a maioria das mulheres só querem relacionamento se o cara for bem sucedido, ou seja, que tenha um alto salário, e aqui é costume o marido entregar todo o pagamento na mão da esposa, e ela lhe dá um valor x pra ele tomar o café do dia a dia....rss....mas há exceções, claro....mas a maioria só pensa mesmo no lado financeiro, no prejú!



Táxi-burro: o meio de transporte movido a quatro patas

Chega de exploração animal...isso é ridículo, cruel e ultrapassado!!!


Emilia Clarke é considerada a mulher mais sexy de 2015

Sabe o que Johnny Depp falou sobre o Oscar?

domingo, 11 de outubro de 2015

Keanu Reeves e sua moto viram artigo de luxo no Natal

Os verdadeiros Superatletas

ONU aprova guerra aos passadores de migrantes ilegais

Aumenta a tensão e a violência entre israelitas e palestinianos

Turquia: Explosões provocam 30 mortos durante marcha pró-curda em Ancara

Milhares de pessoas saem à rua em Berlim contra parceria entre UE e EUA

sábado, 10 de outubro de 2015

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Vinícius de Moraes: presente para crianças refugiadas

Ônibus com saia tutu na luta contra o câncer de mama

Ônibus com saia tutu na luta contra o câncer de mama

ÚLTIMA HORA: Comité de Ética da FIFA suspende Sepp Blatter e Michel Platini

Estudantes palestinianos feridos em confrontos com militares israelitas

Obama pede desculpa à presidente da MSF



Pediu desculpas? Governo e exército norte americano fazendo o que sempre fizeram, matar inocentes!

Rússia intensifica ataques na Síria e critica Estados Unidos



Go Rússia!



Alemanha abre espaço a refugiados com a deportação de milhares migrantes...

domingo, 4 de outubro de 2015

Grécia: Autocarros sem motorista circulam em Trikala

Afeganistão: Sobe para 9 o número de mortos num hospital dos Médicos Sem...

Estados Unidos admitem ter bombardeado acidentalmente um hospital dos MS...

Modelo japonesa de 46 anos tem aparência de 18


Uma modelo japonesa tem feito sucesso há alguns anos por conta de um diferencial. Apesar de seus 46 anos, ela possui aparência de uma adolescente.

Masako Mizutani vive em Nagoya, no Japão. Segundo informações, ela nunca sofreu qualquer tipo de cirurgia plástica para manter o visual jovem.

Apesar disso, ela dedica diariamente cinco horas para cuidar da pele.

Conheça a modelo japonesa de 46 anos que tem aparência de 18

Ja é mãe de dois filhos, e sua filha mais velha já possui mais de 20 anos.

Ela dá algumas dicas para ajudar a conseguir o mesmo sucesso que ela alcançou, há que se ter disciplina e disposição:


– Comer alimentos frescos e saudáveis;

– 4 refeições equilibradas por dia em pequenas porções; – Beber muita água; – Aplicar maquiagem mais leve à medida que envelhece;

– Usar cremes à base de vitamina E para manter a pele macia e suave;

– Usar sempre protetor solar antes de sair; – Fazer limpeza de pele, tonificação e hidratação todas as noites antes de dormir;

– Se exercitar regularmente, dormir o suficiente e não fumar.

Masako é dona de casa, e recebeu um novo termo usado pelos japoneses quando se referem a mulheres acima de 35 anos com aparência de adolescentes: “US-Witch”.

Ela se tornou símbolo para as mulheres do país.

Confira algumas de suas fotos:

2
Imagens: Reprodução
8

7

6

5

4

3

A metamorfose das escolas na Finlândia e no Japão - learning world

Ataque aéreo dos EUA no Afeganistão destrói hospital e mata 19 pessoas

Assassinos covardes!



Fim da era Dekassegui - Inicia-se agora a era dos “brasileiros residentes no Japão”.




Declaração de Yokohama redigida pelo Conselho de Cidadãos de Tókyo será encaminhada aos governos do Brasil e do Japão.

Após 25 anos da reforma da lei de imigração japonesa que permitiu o visto de longa duração aos descendentes japoneses, foi decretado oficialmente neste sábado, 3, em reunião do Conselho de Cidadãos de Tókyo, o fim da chamada “era dos dekasseguis”. Inicia-se, agora, a chamada era dos “brasileiros residentes no Japão”, segundo consta na “Declaração de Yokohama”, um documento que será encaminhado para os governos do Brasil e do Japão.

Como se sabe, a palavra “dekassegui” significa literalmente “sair para ganhar dinheiro” e costuma ser usada para denominar os trabalhadores temporários. Além disso, este termo carrega uma conotação negativa, associando o indivíduo e/ou grupo à uma imagem de pobreza e falta de compromisso com o local onde foi trabalhar.
Hoje, seis em cada dez brasileiros no Japão têm visto permanente. Muitos deles já compraram casa no país. Um número significativo de brasileiros passou da posição de empregado para empregador com empresas, lojas, serviços, escolas, organizações não-governamentais e veículos de comunicação, vários brasileiros floresceram nas mais diversas regiões.

Texto da Declaração de Yokohama

 “Acabou a era decasségui  - Escolhemos ficar no Japão”

Completaram-se, em junho deste ano, exatos 25 anos desde a implementação da reforma na Lei de Imigração Japonesa, que entrou em vigor em 1990.  Como se sabe, esta Lei permitiu que os estrangeiros “nikkeis”(descendentes de japoneses) entrassem no Japão com vistos que não previam limitações no tipo de atividade exercida. Essas atividades poderiam incluir a visita aos parentes e, eventualmente, exercer trabalhos sem qualificação para custear a estadia no país.
Embora haja controvérsias sobre a intenção ou não do governo japonês em usar esta reforma legal para atrair nikkeis estrangeiros como mão-de-obra dos setores automobilístico e de eletroeletrônicos, entre outros, não há margem para dúvidas de que isso desencadeou uma onda migratória de sul-americanos – especialmente de brasileiros – para o Japão. E este fenômeno – assim como cada pessoa que aderiu a este movimento migratório – passou a ser denominado de “dekassegui” (e mais tarde, grafado como “decasségui” nos dicionários de língua portuguesa).
Como se sabe, a palavra “dekassegui” significa literalmente “sair para ganhar dinheiro” e costuma ser usada para denominar os trabalhadores temporários e sazonais, seja no âmbito doméstico ou transnacional. Além disso, este termo carrega uma conotação negativa, associando o indivíduo e/ou grupo a uma imagem de pobreza e falta de compromisso com o local onde foi trabalhar – no caso de migrante transnacional, o seu país de origem.
Decididamente, este não é o caso dos migrantes da rota Brasil-Japão.  Hoje, seis em cada dez brasileiros no Japão têm visto permanente. Muitos deles já compraram casa no Japão. Um número significativo de brasileiros passou da posição de empregado para empregador de mão-de-obra, e outros tantos já exercem profissões que exigem qualificação. Empresas, lojas, serviços, escolas, organizações não-governamentais e veículos de comunicação ou administrados por brasileiros floresceram nas mais diversas regiões do Japão.
A crise financeira global de 2008, seguida de uma demissão em massa dos brasileiros, poderá ter provocado o desmantelamento da comunidade brasileira no Japão. Não foi o que aconteceu. A maioria dos brasileiros escolheu ficar. O terremoto, tsunami e pânico nuclear de Tohoku de 2011 também poderiam ter provocado um retorno em massa dos brasileiros.
Mais uma vez, a maioria dos brasileiros decidiu ficar. Ficar no Japão. Ser membro ativo desta sociedade. Contribuir para o desenvolvimento deste país. Foi esta a decisão consciente dos 175.410 brasileiros registrados pelo Ministério da Justiça (conforme as estatísticas de dezembro de 2014), sem contar outros tantos que não aparecem nas estatísticas por terem cidadania japonesa.
Os brasileiros que ficaram no Japão contribuem não apenas trabalhando, consumindo e pagando impostos. Querem fazer parte da corrente do がんばろう日本! “Gambaroo Nippon!”. Prova disso é que, diante da tragédia de março de 2011, os brasileiros não ficaram de braços cruzados.
Foram para Tohoku prestar ajuda e solidariedade em atividades voluntárias. O sentimento uniu as pessoas foi este: “Escolhemos ficar aqui, fazemos parte desta sociedade.”Por tudo isto, nós, brasileiros no Japão, gostaríamos de aproveitar o ensejo dos 25 anos da reforma da Lei de Imigração para decretar o fim da “Era dos decasséguis/decasséguis. E declarar oficialmente o início de uma nova era que, na prática, já começou há muito tempo: a era dos “brasileiros residentes no Japão”, cidadãos conscientes dos seus direitos e deveres como membros da sociedade japonesa, sem perder os laços culturais e afetivos com seu país de origem, Brasil.
Esta nossa declaração é, ao mesmo tempo, uma solicitação dirigida à população em geral, e em especial às autoridades relacionadas, para que colaborem na solução das diversas questões levantadas neste Painel. Pois nunca é demais frisar: “Escolhemos ficar!”

Yokohama, 3 de outubro de 2015.

Conselho de Cidadãos de Tóquio